jusbrasil.com.br
23 de Janeiro de 2019
    Adicione tópicos

    BARCAS SA NÃO USOU TODA VERBA OBTIDA NO BNDES PARA INFRAESTRUTURA

    A empresa Barcas SA ainda possui em caixa 43% dos R$ 176 milhões que obteve junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investir em melhorias no transporte aquaviário. Foi o que afirmou o presidente da empresa, Amauri de Andrade, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que investiga os problemas e acidentes envolvendo o transporte aquaviário no estado, nesta quinta-feira (26/03). "São R$ 80 milhões que poderiam estar sendo utilizados na construção da estação de São Gonçalo ou em infraestrutura para evitar novos acidentes", lamentou o presidente da CPI , deputado Gilberto Palmares (PT).

    O presidente da Barcas SA também informou que a empresa de ônibus 1001 é a maior acionista da empresa, com 53% das ações da concessionária. A informação motivou uma série de perguntas, por parte dos deputados, sobre a relação da falta de investimentos no sistema aquaviário com o interesse das empresas de ônibus. Amauri, no entanto, enfatizou que os dois sistemas de transporte são tratados de formas distintas. "Contratamos profissionais para gerir o modal aquaviário", explicou.

    Mesmo após assumir que possui dinheiro em caixa, o presidente da concessionária foi enfático ao afirmar considera necessário o investimento do Governo do Estado no sistema de barcas. "Não queremos dinheiro. Estamos interessados em investimentos. Novas embarcações e construção de atracadouros. Existem linhas deficitárias como Cocotá, Paquetá e Ilha Grande", enumerou. No entanto, o presidente se mostrou otimista em quantos aos números. "Acredito que em dois ou três anos teremos retorno do investimento", acredita.

    Amauri explicou que tem uma demanda reprimida no trajeto Rio/Niterói, mas não negou que oferece viagens em quantidade abaixo do estabelecido para o horários do rush. Palmares mostrou dados enviados pela Secretaria de Estado de Transporte. "De acordo com o contrato de concessão teriam que ser oferecidas 10 mil vagas para os usuários da linha Rio/Niterói nos horários de maior movimento. Os dados da secretaria de transporte mostram que, durante todo o mês de outubro de 2008, estes números não foram obedecidos", enfatizou o presidente da CPI .

    Segundo Palmares, a CPI pretende ouvir o governador Sérgio Cabral, os usuários do sistema e realizar quatro audiências públicas: dia 4 de abril, em Paquetá; dia 6, em Niterói; dia 22, em São Gonçalo; e 29, na Ilha Grande.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)